quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Falta criatividade =/ ...

Não estou numa fase muito criativa, muitas coisas acontecem, muitas coisas não acontecem, minha cabeça ta cheia, decisões pra tomar, escolhas pra fazer (o que não deixam de ser decisões).
O jeito é esperar o final de semana chegar, porque ele é que é a válvula de escape disso tudo e curtir muito, só assim pra eu pensar em outras coisas se não essas que enchem os meus dias de semana.
Até lá eu deixo vocês com um amigo sábio meu, o querido Vinicius de Moraes que nesse texto fala de 2 coisas maravilhosas no mundo; Mulher e música espero que gostem.

Uma mulher chamada Guitarra.

Um dia, casualmente, eu disse a um amigo que a
guitarra, ou violão, era “a música em forma de
mulher”. A frase o encantou e ele a andou espalhando
como se ela constituísse o que os franceses chamam
um mot d’esprit. Pesa-me ponderar que ela não quer
ser nada disso; é, melhor, a pura verdade dos fatos.
O violão é não só a música (com todas as suas
possibilidades orquestrais latentes) em forma de mulher,
como, de todos os instrumentos musicais que se
inspiram na forma feminina – viola, violino, bandolim,
violoncelo, contrabaixo –, o único que representa a
mulher ideal: nem grande, nem pequena; de pescoço
alongado, ombros redondos e suaves, cintura fina e
ancas plenas; cultivada, mas sem jactância; relutante
em exibir-se, a não ser pela mão daquele a quem ama;
atenta e obediente ao seu amado, mas sem perda de
caráter e dignidade; e, na intimidade, terna, sábia e
apaixonada. Há mulheres-violino, mulheres-violoncelo
e até mulheres-contrabaixo.
(...) Divino, delicioso instrumento que se casa tão
bem com o amor e tudo o que, nos instantes mais
belos da natureza, induz ao maravilhoso abandono!
E não é à toa que um dos seus mais antigos ascendentes
se chama viola d’amore, como a prenunciar o doce
fenômeno de tantos corações diariamente feridos pelo
melodioso acento de suas cordas... Até na maneira de
ser tocado – contra o peito – lembra a mulher que
se aninha nos braços do seu amado e, sem dizer-lhe
nada, parece suplicar com beijos e carinhos que ele a
tome toda, faça-a vibrar no mais fundo de si mesma, e
a ame acima de tudo, pois do contrário ela não poderá
ser nunca totalmente sua.
Ponha-se num céu alto uma Lua tranqüila. Pede ela
um contrabaixo? Nunca! Um violoncelo? Talvez, mas
só se por trás dele houvesse um Casals. Um bandolim?
Nem por sombra! Um bandolim, com seus tremolos,
lhe perturbaria o luminoso êxtase. E o que pede então
(direis) uma Lua tranqüila num céu alto? E eu vos
responderei: um violão. Pois dentre os instrumentos
musicais criados pela mão do homem, só o violão é
capaz de ouvir e de entender a Lua.

Vinicius de Moraes.


Fui que fui.
Beijos e abraços a quem os receberem.
o/

5 comentários:

Carol disse...

Adorei o testo *-*

Lays Melo disse...

*Oun*
Que texto fofo!
Adorei!

Beijos

Letícia disse...

Muito foda o txt! Mas vindo de quem veio não poderia ser diferente! Beijos

Gus disse...

queria só a guitarra...mulher nem faço questao nao...

to zuando, antes q alguem faça piadinha!

Nandinho disse...

inacreditável...qnd eu estava lendo vi escrito "um amigo... vinicius de morais" e pensei que era um amigo seu /o/
só qnd eu tava lendo tive a impressão de já ter visto o texto. Fui lá de novo pra achar quem escreveu, daí "Vinícius de Morais" isso tudo pra me ligar que era um texto do falecido /o/
comédia! u.u
"e eu não fumei aquele dia" /o/

Mas é muito bom, apesar dos exageros, mas q poeta não exagera uma ou outra hora?! ;P
abraços